Guia Trabalhista - Home Page

Como Funciona

Obras Eletrônicas

Cadastre-se

Downloads

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

ANEXO VI 

TRABALHO SOB CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS

 

Este Anexo trata dos trabalhos sob ar comprimido e dos trabalhos submersos.

 

1. TRABALHOS SOB AR COMPRIMIDO

 

1.1 Trabalhos sob ar comprimido são os efetuados em ambientes onde o trabalhador é obrigado a suportar  pressões maiores que a atmosférica e onde se exige cuidadosa descompressão, de acordo com as tabelas anexas.

 

1.2 Para fins de aplicação deste item, define-se:

 

a)  Câmara de Trabalho - É o espaço ou compartimento sob ar comprimido, no interior da qual o trabalho está sendo realizado;

 

b)  Câmara de Recompressão - É uma câmara que, independentemente da câmara de trabalho, é usada para tratamento de  indivíduos  que  adquirem  doença  descompressiva  ou  embolia  e  é  diretamente  supervisionada  por  médico qualificado;

 

c)  Campânula - É uma câmara através da qual o trabalhador passa do ar livre para a mara de trabalho do tubulão e vice-versa;

 

d)  Eclusa de Pessoal - É uma câmara através da qual o trabalhador passa do ar livre para a mara de trabalho do túnel e vice-versa;

 

e)  Encarregado de Ar Comprimido - É o profissional treinado e conhecedor das diversas técnicas empregadas nos trabalhos sob ar comprimido, designado pelo empregador como o responsável imediato pelos trabalhadores;

 

f)   Médico  Qualificado  -  É  o  médico  do  trabalho  com  conhecimentos  comprovados  em  Medicina  Hiperbárica, responsável pela supervisão e pelo programa médico;

 

g)  Operador de Eclusa  ou de Campânula - É o indivíduo previamente treinado nas manobras de  compressão e descompressão das eclusas ou campânulas, responsável pelo controle da pressão no seu interior;

 

h)  Período  de  Trabalho - É o tempo durante  o qual o trabalhador fica submetido a pressão maior  que a  do  ar atmosférico excluindo-se o período de descompressão;

 

i Pressão de Trabalho - É a maior pressão de ar à qual é submetido o trabalhador no tubulão ou túnel  durante o período de trabalho;

 

j)   Túnel Pressurizado - É uma escavação, abaixo da superfície do solo, cujo maior eixo faz um ângulo não superior a

45º (quarenta e cinco graus) com a horizontal, fechado nas duas extremidades, em cujo interior haja pressão superior a uma atmosfera;

 

l Tubulão de Ar Comprimido - É uma estrutura vertical que se estende abaixo da superfície da água ou solo, através da qual os trabalhadores devem descer, entrando pela camnula, para uma pressão maior que  atmosférica. A atmosfera pressurizada opõe-se à pressão da água e permite que os homens trabalhem em seu interior.

 

1.3 O disposto neste item aplica-se a trabalhos sob ar comprimido em tubulões pneumáticos e túneis pressurizados.

 

1.3.1  Todo trabalho  sob  ar comprimido  será  executado de acordo  com as  prescrições dadas  a seguir  e  quaisquer modificações deverão ser previamente aprovadas pelo órgão nacional competente em segurança e medicina do trabalho.

 

1.3.2 O trabalhador não poderá sofrer mais que uma compressão num período de 24 (vinte e quatro) horas.

 

1.3.3 Durante o transcorrer dos trabalhos sob ar comprimido, nenhuma pessoa poderá ser exposta à pressão superior a

3,4 kgf/cm2, exceto em caso de emergência ou durante tratamento em câmara de recompressão, sob supervisão direta do médico responsável.

 

1.3.4 A duração do período de trabalho sob ar comprimido não pode ser superior a 8 (oito) horas, em pressões  de trabalho de 0 a 1,0 kgf/cm2; a 6 (seis) horas em pressões de trabalho de 1,1 a 2,5 kgf/cm2; e a 4 (quatro) horas, em pressão de trabalho de 2,6 a 3,4 kgf/cm2.

 

1.3.5 Após a descompressão, os trabalhadores serão obrigados a permanecer, no mínimo, por 2 (duas) horas, no canteiro de obra, cumprindo um período de observão médica.

1.3.5.1 O local adequado para o cumprimento do período de observão deverá ser designado pelo médico responsável.

 

1.3.6 Para trabalhos sob ar comprimido, os empregados deverão satisfazer os seguintes requisitos:

 

a)  ter mais de 18 (dezoito) e menos de 45 (quarenta e cinco) anos de idade;

 

b)  ser   submetido    exam médico   obrigatório pré-admissional    periódico,   exigido   pelas   características   e peculiaridades próprias do trabalho;

 

c)  ser portador de placa de identificação, de acordo com o modelo anexo (Quadro I), fornecida no ato da admissão, após a realização do exame médico.

 

1.3.7 Antes da jornada de trabalho, os trabalhadores deverão ser inspecionados pelo médico, não sendo  permitida a entrada em serviço daqueles que apresentem sinais de afeões das vias respiratórias ou outras moléstias.

 

1.3.7.1 É vedado o trabalho àqueles que se apresentem alcoolizados ou com sinais de ingestão de bebidas alcoólicas.

 

1.3.8 É proibido ingerir bebidas gasosas e fumar dentro dos tubulões e túneis.

 

1.3.9  Junto  ao  local  de  trabalho,  deverão  existir  instalões  apropriadas  à  Assistência  dica,  à  recuperação,  à alimentação e à higiene individual dos trabalhadores sob ar comprimido.

 

1.3.10 Todo empregado que exercer trabalho sob ar comprimido deverá ser orientado quanto aos riscos decorrentes da atividade e às precauções que deverão ser tomadas, mediante educação audiovisual.

 

1.3.11 Todo empregado sem prévia experiência em trabalhos sob ar comprimido deverá ficar sob supervisão de pessoa competente, e sua compressão não poderá ser feita se não for acompanhado, na campânula, por pessoa hábil para instruí- lo quanto ao comportamento adequado durante a compressão.

 

1.3.12 As turmas de trabalho deverão estar sob a responsabilidade de um encarregado de ar comprimido, cuja principal tarefa será a de supervisionar e dirigir as operações.

 

1.3.13 Para efeito de remuneração, deverão ser computados na jornada de trabalho o período de trabalho, o tempo de compressão, descompressão e o período de observação médica.

 

1.3.14  Em  relação  à  supervisão  médica  para  o  trabalho  sob  ar  comprimido,  deverão  ser  observadas  as  seguintes condições:

 

a)  sempre que houver trabalho sob ar comprimido, deve ser providenciada a assistência por médico qualificado, bem como local apropriado para atendimento médico;

 

b)  todo empregado que trabalhe sob ar comprimido deverá ter uma ficha médica, onde deverão ser registrados os dados relativos aos exames realizados;

 

c)  nenhum empregado poderá  trabalhar  sob  ar  comprimido, antes de  ser  examinado por  médico  qualificado,  que atestará, na ficha individual, estar essa pessoa apta para o trabalho;

 

d)  o candidato considerado inapto não poderá exercer a fuão, enquanto permanecer sua inaptidão para esse trabalho;

 

e)  o atestado de aptidão terá validade por 6 (seis) meses;

 

f)   em caso de ausência ao trabalho por mais de 10 (dez) dias ou afastamento por doença, o empregado, ao retornar, deverá ser submetido a novo exame médico.

 

1.3.15 Exigências para Operações nas Campânulas ou Eclusas.

 

1.3.15.1 Deverá estar presente no local, pelo menos, uma pessoa treinada nesse tipo de trabalho e com autoridade para exigir o cumprimento, por parte dos empregados, de todas as medidas de segurança preconizadas neste item.

 

1.3.15.2 As manobras de compressão e descompressão deverão ser executadas através de dispositivos  localizados  no exterior da campânula ou eclusa, pelo operador das mesmas. Tais dispositivos deverão existir  também internamente, porém serão utilizados somente em emergências. No início de cada jornada de trabalho,  os dispositivos de controle deverão ser aferidos.

 

1.3.15.3 O operador da campânula ou eclusa anotará, em registro adequado (Quadro II) e para cada pessoa o seguinte:

 

a)  hora exata da entrada e saída da campânula ou eclusa;

 

b)  pressão do trabalho;

 

c)  hora exata do início e do término de descompressão.

 

1.3.15.4 Sempre que as manobras citadas no subitem 1.3.15.2 não puderem ser realizadas por controles  externos,  os controles de pressão deverão ser dispostos de maneira que uma pessoa, no interior da campânula,  de preferência o capataz, somente possa operá-lo sob vigilância do encarregado da campânula ou eclusa.

 

1.3.15.5 Em relação à ventilação e à temperatura, serão observadas as seguintes condições:

 

a)  durante a permanência dos trabalhadores na mara de trabalhou na campânula ou  eclusa, a ventilação  será contínua, à razão de, no mínimo, 30 (trinta) pés cúbicos/min./homem;

 

b)  a temperatura, no interior da campânula ou eclusa, da mara de trabalho, não excederá a 27ºC (temperatura de globo úmido), o que poderá ser conseguido resfriando-se o ar através de dispositivos apropriados (resfria dores), antes da entrada na mara de trabalho, campânula ou eclusa, ou através de outras medidas de controle;

 

c)  a qualidade do ar deverá ser mantida dentro dos padrões de pureza estabelecidos no subitem 1.3.15.6,  através da utilização de filtros apropriados, colocados entre a fonte de ar e a mara de trabalho, campânula ou eclusa.

 

1.3.15.6

 

CONTAMINANTE

LIMITE DE TOLERÂNCIA

Monóxido de carbono

20 ppm

Dióxido de carbono

2.500 ppm

Óleo ou material particulado

5 mg/m³ (PT>2kgf/cm 2)

3 g/m³ (PT<2kgf/cm2)

Metano

10% do limite inferior de explosividade

Oxigênio

mais de 20%

 

1.3.15.7 A comunicação entre o interior dos ambientes sob pressão de ar comprimido e o exterior deverá ser feita por sistema de telefonia ou similar.

 

1.3.16 A compressão dos trabalhadores deve obedecer às seguintes regras:

a)  no primeiro minuto, após o início da compressão, a pressão não poderá ter incremento maior que 0,3 kgf/cm2;

 

b)  atingido o valor 0,3 kgf/cm2, a pressão somente poderá ser aumentada após decorrido intervalo de tempo que permita ao encarregado da turma observar se todas as pessoas na camnula estão em boas condições;

 

c)  decorrido o período  de observão, recomendado na alínea "b", o aumento da pressão deverá ser  feito a  uma velocidade não superior a 0,7 kgf/cm2, por minuto, para que nenhum trabalhador seja acometido de mal-estar;

 

d)  se  algum  dos  trabalhadores  se  queixar  de  mal-estar,  doreno  ouvido  ou  na  cabeça,  a  compressão  deverá  ser imediatamente interrompida e o encarregado reduzirá gradualmente a pressão da campânula até que o trabalhador se recupere e, não ocorrendo a recuperação, a descompressão continuará até a pressão atmosférica, retirando-se, então, a pessoa e encaminhado-a ao serviço médico.

 

1.3.17 Na descompressão de trabalhadores expostos à pressão de 0,0 a 3,4 kgf/cm2, serão obedecidas as tabelas anexas (Quadro III) de acordo com as seguintes regras:

 

a)  sempre que duas ou mais pessoas estiverem sendo descomprimidas na mesma camnula ou eclusa e seus períodos de trabalho ou pressão de trabalho não forem coincidentes, a descompressão processar-se-á de acordo com o maior período ou maior pressão de trabalho experimentada pelos trabalhadores envolvidos;

b)  a  pressão  será  reduzida  a  uma  velocidade  não  superior  a  0,4  kgf/cm2,  por  minuto,  até  o  primeiro  estágio  de descompressão, de acordo com as tabelas anexas; a campânula ou eclusa deve ser mantida  naquela  pressão, pelo tempo indicado em minutos, e depois diminuída a pressão à mesma velocidade  anterior,  até o pximo estágio e assim por diante; para cada 5 (cinco) minutos de parada, a camnula deve ser ventilada à razão de 1 (um) minuto.

 

1.3.18 Para o tratamento de caso de doença descompressiva ou embolia traumática pelo ar, deverão ser empregadas as tabelas de tratamento de VAN DER AUER e as de WORKMAN e GOODMAN.

 

1.3.19 As atividades ou operações realizadas sob ar comprimido serão consideradas insalubres de grau ximo.

 

1.3.20 O não cumprimento ao disposto neste item caracteriza o grave e iminente risco para os fins e efeitos da NR-3.

 

QUADRO I

 

MODELO DE PLACA DE IDENTIFICAÇÃO PARA TRABALHO EM AMBIENTE SOB AR COMPRIMIDO

 

 

4 cm

 

FRENTE

 

EM CASO DE INCOSNCIÊNCIA OU MAL DE CAUSA INDETERMINADA TELEFONAR PARA O N.º                            

E ENCAMINHAR O PORTADOR DESTA PARA                       

 

6 cm

 

 

4 cm

 VERSO

NOME DA CIA

NOME DO TRABALHADOR

ATENÇÃO: TRABALHA EM AR COMPRIMIDO

 

6 cm

 

ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL DA PLACA: Alumínio com espessura de 2 mm

 

QUADRO II

 

FOLHA DE REGISTRO DO TRABALHO SOB AR COMPRIMIDO

 

FIRMA

DATA

OBRA

NOME DO ENCARREGADO

 

 

NOME

 

 

FUÃO

COMPRESSÃO

DESCOMPRESSÃO

PRESSÃO

DE TRABALHO

 

HORA DE ENTRADA

PERÍODO DE TRABALHO

 

INÍCIO

 

TÉRMINO

 

DURÃO

 

OBS.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

QUADRO III

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Pressão de Trabalho de 0 a 0,900 kgf/cm2

 

 

PERÍODO DE TRABALHO(HORAS)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO

TEMPO TOTAL DE   DESCOMPRESSÃO

0,3 kgf/cm2

0 a 6:00

4 min.

7 min.

6 a 8:00

14 min.

17 min.

+ de 8:00**

30 min.

33 min.

 

NOTAS: A velocidade de descompressão entre os estágios não deve exceder a 0,3 kgf/cm2  por minuto;

* incldo tempo de descompressão entre os estágios;

** somente em casos excepcionais, não podendo ultrapassar 12 horas.

 

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de ½ a 1 hora.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

-

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

-

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

 

 

5

5

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

 

 

10

10

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

 

 

5

15

20

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 1h a 1 ½ hora

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

-

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

 

5

5

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

 

 

10

10

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

 

5

15

20

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

 

 

5

20

35

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de lh 30 min. a 2 horas

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO (min.) **

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

5

5

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

 

10

10

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

 

5

20

25

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

 

10

30

40

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

 

5

15

35

55

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 2h a 2h 30 min.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO (min.) **

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

5

5

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

 

20

20

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

 

5

30

35

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

 

15

40

55

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

 

5

25

40

70

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de a 3 horas

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO (min.) **

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

10

10

 

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

5

20

25

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

 

10

35

45

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

5

20

40

65

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

 

10

30

40

80

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 3 a 4 horas

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO (min.)**

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

15

15

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

5

30

35

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

 

15

40

55

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

5

25

45

75

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

5

15

30

45

95

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão. 

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 4 a 6 horas ****

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO (min.)**

 

1,8

 

1,6

 

1,4

 

1,2

 

1,0

 

0,8

 

0,6

 

0,4

 

0,2

1,0 a 1,2

 

 

 

 

 

 

 

 

20

20

1,2 a 1,4

 

 

 

 

 

 

 

5

35

40

1,4 a 1,6

 

 

 

 

 

 

5

20

40

65

1,6 a 1,8

 

 

 

 

 

 

10

30

45

85

1,8 a 2,0

 

 

 

 

 

5

20

35

45

105

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

**** Até 8 (oito) horas para pressão de trabalho de 1,0 Kg/cm2 e até 6 (seis) horas para as demais pressões.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 0 a ½ hora.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

 

 

 

5

5

2,2 a 2,4

 

 

 

 

 

 

 

5

5

2,4 a 2,6

 

 

 

 

 

 

 

5

5

2,6 a 2,8

 

 

 

 

 

 

 

5

5

2,8 a 3,0

 

 

 

 

 

 

5

5

10

 

3,0 a 3,2

 

 

 

 

 

 

5

5

10

3,2 a 3,4

 

 

 

 

 

 

5

10

15

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho ½ a 1:00 hora.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

 

 

5

15

20

2,2 a 2,4

 

 

 

 

 

 

5

20

25

2,4 a 2,6

 

 

 

 

 

 

10

25

35

2,6 a 2,8

 

 

 

 

 

5

10

35

50

2,8 a 3,0

 

 

 

 

 

5

15

40

60

3,0 a 3,2

 

 

 

 

5

5

20

40

70

3,2 a 3,4

 

 

 

 

5

10

25

40

80

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão. 

 

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 1 a 1 ½ hora.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

 

5

10

35

50

2,2 a 2,4

 

 

 

 

 

5

20

35

60

2,4 a 2,6

 

 

 

 

 

10

25

40

75

2,6 a 2,8

 

 

 

 

5

10

30

45

90

2,8 a 3,0

 

 

 

 

5

20

35

45

105

3,0 a 3,2

 

 

 

5

10

20

35

45

115

3,2 a 3,4

 

 

 

5

15

25

35

45

125

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 1 ½ a 2:00 horas.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

 

5

25

40

70

2,2 a 2,4

 

 

 

 

5

10

30

40

85

2,4 a 2,6

 

 

 

 

5

20

35

40

100

2,6 a 2,8

 

 

 

5

10

25

35

40

115

2,8 a 3,0

 

 

 

5

15

30

35

45

130

3,0 a 3,2

 

 

5

10

20

30

35

45

145

3,2 a 3,4

 

 

5

15

25

30

35

45

155

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 2:00 a 2 ½ horas.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

5

10

30

45

90

2,2 a 2,4

 

 

 

 

5

20

35

45

105

2,4 a 2,6

 

 

 

5

10

25

35

45

120

2,6 a 2,8

 

 

 

5

20

30

35

45

135

2,8 a 3,0

 

 

5

10

20

30

35

45

145

3,0 a 3,2

 

5

5

15

25

30

35

45

160

3,2 a 3,4

 

5

10

20

25

30

40

45

175

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão. 

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 2 ½ a 3:00 horas.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

5

15

35

40

95

2,2 a 2,4

 

 

 

 

10

25

35

45

115

2,4 a 2,6

 

 

 

5

15

30

35

45

130

2,6 a 2,8

 

 

5

10

20

30

35

45

145

2,8 a 3,0

 

 

5

20

25

30

35

45

160

3,0 a 3,2

 

5

10

20

25

30

40

45

175

3,2 a 3,4

5

5

15

25

25

30

40

45

190

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 3:00 a 4:00 horas.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2

1,0

0,8

0,6

0,4

0,2

2,0 a 2,2

 

 

 

 

10

20

35

45

110

2,2 a 2,4

 

 

 

5

15

25

40

45

130

2,4 a 2,6

 

 

5

5

25

30

40

45

150

2,6 a 2,8

 

 

5

15

25

30

40

45

160

2,8 a 3,0

 

5

10

20

25

30

40

45

175

3,0 a 3,2

5

5

15

25

25

30

40

45

190

3,2 a 3,4

5

15

20

25

30

30

40

45

210

 

NOTAS:

(*) A descompressão tanto para o 1o  estágio quanto entre os estágios subsequentes deverá ser feita a velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2/minuto.

(**) Não está incluído o tempo entre estágios.

(***) Para os valores limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

 

TABELA DE DESCOMPRESSÃO

 

Período de trabalho de 4 a 6 horas.

 

PRESSÃO DE

TRABALHO *** (kgf/cm2)

ESTÁGIO DE DESCOMPRESSÃO (kgf/cm2)*

TEMPO TOTAL DE

DESCOMPRESSÃO** (min.)

1,6

1,4

1,2