Guia Trabalhista


Tamanho do Texto + | Tamanho do texto -

ALERTA: PREVISÃO DE EXIGÊNCIA DE VACINA NO ATO DE CONTRATAÇÃO PODE CARACTERIZAR DISCRIMINAÇÃO


Equipe Guia Trabalhista - 30.06.2021


Muitos empregadores, ao contratarem empregados, exigem a comprovação de vacinação, incluindo a imunização contra a Covid-19.


Em nosso entendimento, trata-se de ato discriminatório, pelos mesmos motivos que não é obrigatório, pela legislação trabalhista, que o trabalhador se submeta à vacinação contra o vírus da Covid-19. Veja: trabalhador que se recusa a ser vacinado contra a COVID-19 pode ser demitido por justa causa?.


No momento não há qualquer previsão legal, em termos de normas trabalhistas, para esta exigência no ato de contratação.


Se considerar a validade e a prevalência da convenção coletiva, havendo previsão em convenção, é possível entender que o interesse coletivo poderia sobrepor ao individual, mas isto certamente causaria litígio individual daquele que foi obstado ao emprego por não ter vacinado.


Entendemos que tal imposição necessitada de estrita legalidade para ser exigido na contratação, pois conforme preconiza a Constituição (art. 5º, II), “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.


Tal exigência viola, inclusive, o fundamento estabelecido no art. 1º, inciso IV da CF (os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa).


A exigência impositiva, pelo empregador, do atestado de vacina pode caracterizar discriminação no ato de contratação, sujeita a pleito individual (ou até coletivo) de danos morais.


O artigo 15 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), estipula que  “Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica”. Lei 13.979/2020 especifica, no seu artigo 3º, apenas a possibilidade da vacinação ser obrigatória, sem ser autoaplicável ou extensiva às normas trabalhistas.


Desta forma, na ausência de uma Lei Federal determinando explicitamente a obrigatoriedade da vacina para os trabalhadores, os empregadores que coagirem seus candidatos ao emprego e funcionários já contratados a serem vacinados violarão os princípios constitucionais e o artigo 15 da Lei 10.406/2002.

 

Portanto, recomenda-se aos empregadores que EVITEM colocar obstáculos na contratação devido à ausência de certificado de vacinação dos novos colaboradores, para não criarem contra si contingências trabalhistas.

Telefones:
Curitiba: (41) 3512-5836
Whatsapp: (14) 99824-9869 Fale conosco pelo Whatsapp


Fale conosco pelo WhatsApp

Assine Já o Guia Trabalhista Online

Nosso horário de atendimento é de segundas às sextas-feiras, das 09:00 às 11:45h e das 13:15 às 17:45h (horário de Brasília).

Em nossa Central de Atendimento ao Cliente você encontrará outras formas de contato.