Guia Trabalhista


Tamanho do Texto + | Tamanho do texto -

QUANDO HÁ EXAGEROS NA RECLAMATÓRIA UM ACORDO PODE SER A SALVAÇÃO

Sergio Ferreira Pantaleão

Uma prática bastante usual nas reclamatórias trabalhistas era o de requerer todo e quanto era direito decorrente do vínculo empregatício, até mesmo direitos que já tinham sido pagos pela empresa, mas que eram pleiteados da mesma forma, já que não havia qualquer consequência ao empregado, caso os pedidos já quitados fossem negados quando do julgamento pela Justiça do Trabalho.

Com a entrada em vigor da Reforma Trabalhista esta situação mudou consideravelmente, pois a partir de 11.11.2017 (entrada em vigor da Lei 13.467/2017), a norma trabalhista passou a atribuir a responsabilidade por dano processual, ou seja, impõe responsabilidade por perdas e danos àquele que litigar de má-fé como reclamante, reclamado ou interveniente, nos termos do art. 793-A a 793-D da CLT.

A partir de então, rever a prática anteriormente utilizada quando do ingresso com reclamatória trabalhista passou a ser uma obrigatoriedade, pois caso os pedidos feitos na ação sejam negados pela Justiça do Trabalho, pelo fato de já terem sido comprovadamente pagos pela empresa, o empregado poderá ser condenado ao pagamento de honorários de sucumbência sobre os valores dos pedidos negados, podendo causar prejuízos significativos ao reclamante.

Neste sentido, um caso que chamou muito a atenção recentemente foi o de um ex-empregado que ingressou com uma ação contra a empresa em 2016 (antes da Reforma) na 1ª Vara do Trabalho de Rondonópolis/MT, pleiteando inúmeros direitos como redução unilateral de comissões por vendas, Insalubridade, prêmios não recebidos, horas extras, danos morais, dentre outros.

No julgamento, ocorrido após a Reforma Trabalhista, a maioria dos pedidos foi negado pela 1ª Vara do Trabalho, tais como comissões sobre vendas, horas extras e danos morais. O valor atribuído aos pedidos, que foram negados em sentença, foi de R$ 15 milhões. Como a juíza decidiu que os honorários deveriam ser de 5% sobre o valor da ação, o reclamante foi condenado a pagar R$ 750 mil para a empresa a título de honorários de sucumbência.

A aplicação da Reforma Trabalhista na prática ainda gera muitas controvérsias, pois há juízes que entendem que as mudanças só podem ser aplicadas nos processos que foram ingressados após a entrada em vigor da Reforma, enquanto outros entendem que as mudanças podem ser aplicadas em processos que já estavam em andamento antes da Reforma, como foi o caso acima mencionado.

Por isso, é importante que os reclamantes (e seus procuradores/advogados) que possuem processos em andamentos e que se utilizaram da prática antiga (pedir tudo e mais um pouco) se atentem para uma possível condenação desfavorável no processo. 

Analisar a Vara do Trabalho onde tramita o processo e o entendimento do juiz ou do Tribunal do Trabalho sobre a aplicação das mudanças da Reforma Trabalhista no tempo, para então decidir sobre uma proposta de acordo para com a empresa antes do julgamento, pode ser a diferença entre salvar o cliente/reclamante ou condená-lo a esfacelar seu patrimônio por conta de uma sentença desfavorável.

Analise o processo, reveja as provas e pondere sobre o que pode ou não ser favorável ou desfavorável. Dê ciência ao cliente sobre os possíveis riscos de uma condenação. Formalize por escrito tais riscos e tome assinatura de seu cliente de modo que ele esteja a par de todas as possibilidades. Se for o caso, havendo riscos significativos de um resultado desfavorável, sugira ao seu cliente uma proposta de acordo para dar fim ao processo antes do julgamento.

Diante das mudanças impostas pela Lei 13.467/2017, maior cuidado deve haver até mesmo entre o reclamante e o advogado, pois se por um lado o advogado deve se precaver em relatar (documentar com assinatura do reclamante) todos os direitos que o empregado alega não ter recebido, para se livrar de uma condenação subsidiária por má-fé, por outro o reclamante também deve documentar tudo o que relatou ao advogado sobre o que entende ter de direito, a fim de se livrar de profissionais aventureiros ou inexperientes que apenas repetem os mesmos pedidos em suas reclamatórias trocando apenas a qualificação da parte.

Embora não seja uma prática muito comum, tomar a assinatura do reclamante na própria petição inicial (fazendo com que o mesmo leia todo o conteúdo e firme o aceite nos pedidos feitos), pode ser uma mudança de comportamento e de prática processual necessária ao advogado que procura atuar com lisura e boa-fé perante a empresa e a própria Justiça do Trabalho.


Sergio Ferreira Pantaleão é Advogado, Administrador, responsável técnico pelo Guia Trabalhista e autor de obras na área trabalhista e Previdenciária.



Atualizado em 15/03/2018


Manual da Reforma Trabalhista

Telefones:
São Paulo: (11) 3957-3197
Rio de Janeiro: (21) 3500-1372
Belo Horizonte: (31) 3956-0442
Curitiba: (41) 3512-5836
Porto Alegre: (51) 3181-0355
Whatsapp: (14) 99824-9869 Fale conosco pelo Whatsapp

Nosso horário de atendimento telefônico/fax é: de segundas às sextas-feiras, das 09:00 às 11:45h e das 13:15 às 17:45h (horário do Sudeste do Brasil).

Em nossa Central de Atendimento ao Cliente você encontrará outras formas de contato.